WT1 utiliza novos mochilinks com encoder H265

Neste sábado a WT1 iniciou em parceria com a Isto É, a primeira cobertura ao vivo da editora utilizando codificadores de última geração para transmissão celular, os famosos mochilinks.

Esses equipamentos suportam taxas de até 30 Mbps, utilizando o Codec H 265 e incluem outra série de características profissionais como adaptive streaming e closed-captioning tanto para HDMI quanto para SDI

A cobertura especial dos blocos durante o Carnaval, terá programas ao vivo no estúdio IstoÉ, com entradas direto dos blocos e tudo será transmitido usando apenas os novos mochilinks.

A tecnologia dos equipamentos permite realizar lives de qualquer lugar, garantido liberdade da cobertura jornalística  sem depender de energia elétrica ou links de satélite com alto custo e mantendo a qualidade profissional.

“Do ponto de vista jornalístico, essa tecnologia permite que sejamos originais na forma de contar as histórias. Para os criadores de conteúdo é também uma oportunidade de estabelecer uma relação direta e pessoal com o público. Para nós da Isto É, tem sido uma experiência libertadora. A mobilidade dessa tecnologia abriu as possibilidades e estamos aproveitando isso”, declarou Hélio Gomes, Editor da Editora 3.

Mais uma vez, o objetivo da WT1 é entregar a melhor transmissão com custos acessíveis e alta tecnologia. Quem quiser acompanhar tudo o que está rolando nesse projeto, basta acessar a página da Isto É, no Facebook, clicando aqui

#istoé #istoéaovivo #istoénobloco

Anúncios

Estenotipia: Inclusão e Audiência

A melhor parte de trabalhar com projetos comprometidos e engajados com qualidade é somar possibilidades e tecnologias para comunicar cada vez melhor e para o maior número de pessoas possíveis.

O projeto de transmissão para Netflix na Comic Con 2017, do bate papo com Nick Kroll, criador da série Big Mouth, permitiu integrar a tecnologia da Estenotipia à live. E os resultados foram realmente incríveis.

A Estenotipia é a tecnologia mais eficiente no mundo para legendagem ao vivo. Um trabalho executado por uma equipe capacitada não apenas para operar a máquina de estenotipia e transcrever de maneira fiel e ágil, como também capaz de dominar cada tema abordado, entregando um conteúdo contextualizado e de extrema qualidade.

A estenotipia garante acessibilidade do conteúdo para pessoas com necessidades especiais, mas não só. Ela também garante que o conteúdo de vídeo ao vivo possa ser consumido sem som, comportamento comum entre os usuários de internet. Pesquisas indicam que 85% dos usuários de redes sociais consomem vídeos sem som. 

Um número bastante expressivo quando se leva em consideração que o Facebook registra diariamente mais de 8 bilhões de reproduções de conteúdos de vídeos.

O modelo de reprodução automática que necessita de habilitação de som pelo usuário e o grande número de acessos a partir de plataformas mobile também reforçam a tendência de consumo do vídeo legendado, afinal, não é todo mundo que se sente confortável de compartilhar o áudio em locais públicos, escritórios ou transportes coletivos, por exemplo.

Toda tecnologia que garanta inclusão social e digital e some a isso maior interação e interesse pelo conteúdo, irá naturalmente garantir maior audiência e relevância para o projeto. 

#FoiÉpico #ComicCon2017 #Netflix #inclusão #audiência